A praia de Itacoatiara (Pedra Riscada) - Niterói - Rio de Janeiro - Brasil

Cercada pelos costões montanhosos e dividida em duas partes por uma imensa rocha localizada em frente e a direita do Pampo Clube, a praia de Itacoatiara encanta a todos pelas suas belezas naturais, onde se inclui uma faixa contínua de areia de cerca de 700,0 m e mais uma outra parte chamada praínha de águas mais propícias para o banho de mar.

Em linguagem indígena, Itacoatiara significa “pedra riscada”. O local apresenta uma geomorfologia costeira em que se combinam a praia, a enseada e os costões rochosos, além de uma vegetação de restinga junto à praia. Caracteriza-se fisicamente por abranger uma área entre dois costões, havendo entre eles uma grande forma rochosa, o que divide a praia em duas partes, uma de águas normalmente calmas, a praínha e outra mais extensa e de águas menos tranqüilas, o praião.

O bairro tem uma única via de acesso rodoviário, propiciando-lhe condições de segurança não vistas em qualquer outro bairro da Região Oceânica, e essa característica o individualiza fortemente.

A declividade dos maciços montanhosos que circundam Itacoatiara impedem uma ocupação desordenada de seu espaço, pois conforme observado no macrozoneamento - Região Oceânica de Niterói (Plano Diretor de Niterói/1992), as encostas do Morro das Andorinhas e do Alto Mourão, são indicadas como “Zona de Restrição à Ocupação Urbana”. Devemos ressaltar que mesmo antes da vigência desse Plano Diretor, as encostas de Itacoatiara permaneceram desocupadas por muito tempo. No costão do Morro das Andorinhas, sobre a praínha, só existia uma residência, a do Sr. Mathias Sandri. Outras casas e o denominado Condomínio Village Itacoatiara só foram implantados ali, no início dos anos 90....

A preservação do meio ambiente mereceu sempre a atenção de seus moradores, que lutaram e lutam, permanentemente por ela, pela vegetação nativa, pela limpeza de suas praias e pela tranqüilidade do lugar.

Suas ruas são arborizadas, e recebem denominações de árvores e flores, permanecendo a maioria delas sem asfaltamento, segundo o desejo de seus moradores. Essa preferência pelo não calçamento das ruas tem duas razões principais, uma delas é a preservação do ar de cidade do interior no lugar e o outro mais objetivo, a continuidade de abastecimento do lençol freático do bairro, durante as chuvas, pois antes da chegada, em 2001, da rede de água da empresa Águas de Niterói, a principal fonte de abastecimento era provinda de poços...

Separado de Itaipu pelo Morro das Andorinhas, o Bairro de Itacoatiara é uma unanimidade no que se refere às belezas naturais da Região Oceânica de Niterói, tanto no cenário caprichoso formado pela praia de igual nome e a densa restinga, quanto nas elevações rochosas que se erguem do mar às nuvens.

Para aqueles que gostam de fortes emoções, Itacoatiara oferece trilhas e escaladas atraentes, num panorama rodeado pelo mar, pela mata da Serra da Tiririca e por picos rochosos que chegam a alcançar mais de 400 metros de altitude, como é o caso do Morro do Elefante. Abrangendo o recanto da praínha e o praião, seu litoral possibilita a formação de correntes marinhas que privilegiam a prática do “surf” e do “bodyboard” como em poucos lugares do Estado, sendo comum a realização de campeonatos e competições.

Aos que preferem as profundezas de suas águas, existem diversos pontos favoráveis ao mergulho amador e profissional, desde que o mar, freqüentemente agitado, resolva dar uma trégua, deixando a suspensão baixar. Quem mergulha na região ainda consegue encontrar uma boa variedade de espécies de peixes, dos mais variados tamanhos, devido ao acidentado relevo aquático que possibilita a existência de uma infinidade de “tocas”. Um dos pontos mais disputados, em suas proximidades, é o da Enseada do Bananal, só acessível através de embarcações ou, então, por uma trilha considerada entre “caminhada leve” e “caminhada média”!

ARQUIVO DA CÂMARA MUNICIPAL DE NITEROI. Transcrição do Livro de Notas do escrivão do Juízo de Paz da Freguesia de São Sebastião de Itaipu – De 5 de setembro de 1831 a 17 de agosto de 1862. Imprensa Oficial. Niterói. Livro 38.

ARQUIVO PÚBLICO NACIONAL. Fundo Sesmarias: Inventário Analítico, relativo ao Rio de Janeiro e outros Estados. Imprensa Nacional. Brasília. 387 p.BARATA, Carlos Eduardo de Almeida & BUENO, Antonio Henrique da Cunha. (2000). Dicionário das Famílias Brasileiras. Ed. Ibero América Comunicações e Cultura S.C.Ltda. SãO Paulo. Vol. II. 2534. (p. 1574).

CÃMARA MUNICIPAL DE NITEROI. 1999. 180 Anos de Ação Municipalista. In: 3 de outubro de 1831 – Desmembramento da Fazenda Piratininga. Origens do Bairro de Itacoatiara. SOARES, Emannuel de Macedo. Ed. Câmara de Niterói. 238 p. (p. 156-158).CARLOS, Ana Fani Alessandri & LEMOS, Amália Inês Geraiges (orgs.). (2003). Dilemas Urbanos: novas abordagens sobre a cidade. Ed. Contexto. São Paulo. 430 9. (p. 253-254).CARVALHO, Carlos. (1893). O Direito Emphyteutico: Memória. Imprensa Nacional. Rio de Janeiro. 96 p. (p. 17).CASADEI, Thalita de Oliveira. (1988). A Imperial Cidade de Nictheroy. Serviços Graf. Impar. Niterói. 355 p. (p. 43 e 137).COSTA, Rosalina Maria (1993). Em busca do espaço perdido – A reconstrução das iden- tidades espaciais do bairro da Lapa na cidade do Rio de Janeiro. In: O Bairro Pensado como Identidade Espacial. Dissertação de Mestrado apresentada à UFRJ. Rio de Janeiro,(s/editor). (p. 18 à 40).FONSECA, Adhemar. Entrevista concedida em sua residência. 2002.(23/dez.). Camboínhas. Niterói.INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO. (1901). Revista Trimensal do IHGB. Tomo LXIII – Parte I (1º. e 2º. Semestres). In: Relação das Sesmarias da Capitania do Rio de Janeiro, Extraída dos Livros de Sesmarias e Registros do Cartório do Tabelião Antonio Teixeira de Carvalho de 1565 à 1796. Imprensa Nacional. Rio de Janeiro. 350 p. (p. 93 à 153).(1973). Revista do IHGB. Volume 298. Jan-Março. In: Alvará de 5 de outubro de 1795 e outras leis sobre terras no Brasil. Imprensa Nacional. Brasília/DF. 346 p. ( p. 218- 230). (1985). Revista do IHGB. Volume 348, julho-set. In: As Sesmarias no direito luso-brasileiro: CAETANO, Marcelo. 1980. Imprensa Nacional. Brasília/DF. 310 p. (p.26 – 27).LEITE, Márcia. (2000). Grajaú, memória e história: fronteiras fluidas e passagens. Trabalho apresentado no XXIV Encontro Anual do ANPOCS.Petrópolis. 89 p.

PREFEITURA MUNICIPAL DE NITERÓI (1996). Consultoria Especial de Ciência e Tecnologia. Niterói Bairros. Niterói.Secretaria Municipal de Ciência e Tecnologia (2000). Niterói. Disponível em < http:/www.secitec.niterói.rj.gov.br> . Niterói Bairros . Acesso em 05 dez. 2002. Secretaria Municipal da Região Oceânica. Entrevista concedida na sede de Itaipu. 2003.(04/fev.). Itaipu. Niterói.(1993) Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente. Plano Diretor de Niterói: Lei no. 1157/92. Niterói. TypeSet Comunicação Visual e Editoração Ltda. Niterói. 110 p.Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente. CD Rom com o PUR da Região Oceânica de Niterói (2000). Niterói.(1992) Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente. Niterói: Diagnóstico Ambiental. Versão Resumida. Typeset Editoração Ltda. Niterói.146 p. (p. 54 – 59).ROSA, Alexandre Guimarães et al.(2001). Trabalho sobre Itacoatiara da disciplina Estágio Curricular V & VI , do Curso de Graduação de Geografia da UFF. Niterói. 21 p. e anexos.SILVA, Ricardo Perrirás da. Entrevista concedida em 09.05.2003 em sua residência. Itacoatiara. Niterói.SOARES, Maria Therezinha Segadas. (1981). O conceito geográfico de bairro e sua exem- plificação na cidade do Rio de Janeiro. In: Boletim Carioca de Geografia 11 (3/4). Rio de Janeiro. (p. 47-48).SOUZA, Marcelo José Lopes de, (1985). O Território: Sobre Espaço e Poder, Autonomia e Desenvolvimento. In: Castro, J. et alli(orgs). Geografia, Conceito e Temas. Ed. Bertrand Brasil. Rio de Janeiro. 98 p.WEHRS, Carlos. (1984). Niteroi Cidade Sorriso: história de um lugar. Gráf. Vida Doméstica. Rio de Janeiro. 366 p. (p. 309).[1] Graduado em Geografia nos graus de Licenciatura e Bacharelado, pela Universidade Federal Fluminense. E mail : bar@predialnet.com.br [1]PALACIOS, Marcos.Cotidiano e Sociabilidade no Cyberespaço: Apontamentos para (18/08/2003).[2]BEAMISH, Anne. Commuties on-line: A Study of Community – Based Computer Networks. Tese de Mestrado em Panejamento de Cidades. Instituto de Tecnologia de Massachusetts–EstadosUnidos. (17/08/2003). [3] TRICART, Jean. Cours de Geographie Humaine. Fascicule II. In: L´habitat urbain. Paris. 1958. p. 147.[4] LOGAN, John R. e MOLOTCH, Harvey L. Urban Fortunes: The Political Economy of Place. Berkeley and Los Angeles. University of California Press Ltd. 1987. p. 107.[5] MOMBEIG, Pierre. O Estudo Geográfico das Cidades. In: Boletin Geográfico(1). 1943. p. 7-9.[6] MENDES, Renato Silveira. Os Bairros da Zona Norte e os Bairros Orientais. IN: A Cidade de São Paulo. Estudos de Geografia Urbana, volume III. São Paulo. Associaç~/ao dos Geógrafos Brasileiros. 1958. p. 184-185.

© 2008 Todos os direitos reservados aos seus respectivos autores.

Itacoa Shopping
Itacoa Shopping
Itacoa Shopping
Itacoa Shopping
Itacoa Shopping